segunda-feira, 6 de abril de 2009

Nothing but words...

te amarei sempre que der e puder
além de desejos mundanos
além das frustrações perdidas no oceano
juro que minha satisfação não é apenas momentânea
dobro cores em infinitas partes
saem de mim como um arco-íris circense.
vôo solo e doloroso até aqui
virando a esquina, vi o resquício do que chamava amor,
agora sinto o amor que chamava.
me guardo para a hora de estar contigo
vibro no mais singular gracejo que fazes
ardor sem pudor , me encorajas a vencer a dor
suplico a tua presença.
presente não és simplesmente presente.
és futuro.
futuro indomável futuro.