sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Um presente...

Filosofando com a passagem do meu aniversário recente,
fiquei olhando meus presentes em cima da cama, ali, parados.
Todos gostamos de mimos.
Exclui-se o valor financeiro da coisa. Falo do sentimental, o tempo
"perdido" pela origem na escolha, a surpresa.
Por que vamos perdendo alguns costumes como esse?
Frieza da nova era? individualismo excessivo? crise financeira?
Posso citar diversos porquês, mas ainda acho que a lembrança e o carinho devem ter supremacia perante estes.
Ás vezes com algumas moedas e um pouco de imaginação, o que seria um simples presente é um tesouro pra todo sempre.
Um gesto fora dos feriados (como o Natal) que viraram meramente comerciais.
É seu aniversário, a celebração de mais um ano de existência, de experiência, de vida.
Quer coisa melhor que viver? Só você pode me dizer.
Três dias depois de completar vinte e oito anos, o carteiro entrega uma encomenda. Dentro dela: Pierrot Le Fou, primeiro filme que assisti do diretor francês Jean Luc Godard.
O valor do presente? Sem valor.
O sorriso ao vê-lo ? Continua e continuará. Afinal, esse Pierrot não é da Colombina. É meu a partir de agora. Graças a mais um aniversário ...


Pierrot Le Fou - Jean Luc Godard - 1965