sexta-feira, 23 de abril de 2010

Nothing but words III ...

e de repente surge alguém... ou esse alguém sempre esteve ali, você só começa a notá-lo (a) de um jeito diferente, talvez após um esbarrão na escada sem querer ou coisa parecida.
qualquer movimento se torna apaixonante, qualquer sorriso cativante ( mesmo que o alvo do sorriso não seja você), o modo simples de ajeitar os óculos se torna deslumbrante...
e a voz? ah, a voz ! dama ainda virgem aos seus ouvidos enquanto você divaga: "como soaria bela recitando meu poema favorito..."

comigo, bastou uma sessão de cinema francês para que essa voz se fizesse presente, chegando a embriagar de tal modo que a única palavra que me recordo saindo daquela boca foi: lírico.
Mas hei de extinguir essas fantasias torrenciais, afinal esse alguém sabe o que é lirismo, mas não tem a mínima ideia de como é meu nome...