domingo, 12 de setembro de 2010

Nothing but words I ...

descoberta de todos os medos
esperando seu braço entrelaçar meu corpo
dormir com sua respiração em minha nuca
não sonhar porque vivo o sonho
ao som da água que decidiu cair do céu
e de relâmpagos alardeando o inevitável

não é simples estar
muito menos ser
o que faz tornar
e transtornar
esse meu jeito
quando me deito em seu leito

quase nada importa
desde que a música que toca
se faça sem fim
desde que seu aroma
facilmente identificável
se faça impregnar
em mim, por mim

e em vez de pedir
agradeço
em vez de lembrar
esqueço
em vez de ostentar agitação
contemplo a quietude
e a serenidade que me faz refletir
o quão bom é gostar de você por uma noite
seja ela qual for...