quarta-feira, 27 de julho de 2011

Nothing but words...



O acaso foi pego em flagrante
Delatou meus desejos insanos
Implorou certo beijo singelo
Com um quê de algoz leviano

Assinou minha pele com seu cheiro
Invadiu meus sonhos sem maldade
Imaculado semblante sorrateiro
Precursor do que viria a ser saudade

Sua voz ainda reverbera
Os anseios de outrora
E perante tal sortilégio
Flerto com a simples memória

O contorno do que foi o todo
Resquícios do verbo querer
Que já não ouso conjugar
Sem ao menos ter você

Pura sina, eu diria
Da sombra que ficou
Tornando-se um fado inebriante
Parte essencial do que sou