sábado, 17 de setembro de 2011

Nothing but words II...

pereço em um sentimento 
que nem ao menos sei o nome

pereço em uma memória 
onde não acho o caminho de volta

pereço na sobriedade voluntária
e no entorpecimento da vontade de te ter

pereço na música que não finda
em cada acorde que envolve
essa ânsia ritmada do querer