sábado, 2 de fevereiro de 2013

Action

  Na última quarta-feira, dia 30, Quentin Tarantino foi homenageado com o American Riviera Award no festival de cinema de Santa Barbara, na Califórnia.
  No evento ele respondeu algumas perguntas sobre seu processo criativo - "Cara, não posso escrever poesia em computador!" revelando que os roteiros são todos escritos primeiro no velho e bom papel antes de atingir qualquer tela.
  "A jornada é tudo. Ela que faz o destino valer a pena." - Tarantino deixa isso claro não só nessa mas em inúmeras entrevistas. Ele é um homem realmente apaixonado pelo que faz, por isso faz bem.
  Essa paixão pela escrita é tamanha que ele afirma não sofrer com "writer´s block" - o famoso bloqueio de inspiração que atinge alguns escritores e pode durar míseros minutos ou se estender a enfadonhos anos. Com uma gargalhada Quentin diz que o problema na verdade é não conseguir parar de escrever.
  É possível imaginar a cena do diretor escrevendo em ritmo frenético com roupas confortáveis no seu quarto, música para embalar o ritual e a cidade de Los Angeles ao fundo.
  Em uma mesa redonda com os diretores Gus Van Sant, Ang Lee, David. Russell, Ben Affleck (?) e Tom Hooper, QT exprime a vontade de se aposentar aos 60 e focar na escrita de narrativas e crítica cinematográfica.
  Meu fascínio por Tarantino é óbvio. Ele não sofre com a angústia de influência, pelo contrário, ele  usa a influência de outrora e transforma em sua assinatura. É o que o torna original.








A matéria pode ser lida na íntegra aqui - Last-Minute Honoree Quentin Tarantino Talks Writing in Santa Barbara